A gramínea que pode ‘salvar’ o mundo

Na SEMANA INTERNACIONAL DO MEIO AMBIENTE muitas discussões são realizadas mundo afora para conscientizar e sensibilizar as pessoas sobre a necessidade de conservação do meio ambiente bem como sobre as alternativas para reverter a emissão de GEE e o aquecimento global, cuja preocupação dos climatologistas é o limite de 1,5 a 2C° ou o catastrófico nível de elevação de até 4C°. Esta preocupação é pertinente, pois estimativas dão conta que já em 2024 seremos 8 bilhões de habitantes e que em 2048 atingiremos uma população de 9 bilhões de humanos a consumir combustíveis fósseis, minerais e biomassas.

Desde recursos de bioengenharia até geoengenharia que dependem de vultosos investimentos financeiros, são propostos como alternativas de reversão destes indicadores negativos de mudança do clima.

Mas as alternativas mais pragmáticas são pequenas atitudes que devem a princípio ser compartilhadas com o maior número de pessoas e que não dependem de muitos recursos – ao contrário são poupadoras dos mesmos – como a coleta seletiva do lixo, deslocamento menor em veículos movidos a combustíveis fósseis, uso de mais tecnologias limpas e ter consciência e sensibilização para a preservação e manejo dos recursos para as gerações futuras.

Uma das alternativas que deve ser considerada promissora é o investimento coletivo no cultivo de espécies com alta capacidade de captura de carbono, diversificada aplicação em produtos, tecnologia de processamento e aproveitamento dominada, elevado retorno econômico e grande apelo social.

É aqui que o bambu deve ser levado a sério, mas infelizmente a maioria dos brasileiros só o conhece como alimento dos ursos panda na China ou como vara de pescador. Para muitos do campo é considerado como “praga” na propriedade pela alta capacidade de proliferação de algumas espécies. O bambu é até discriminado no Brasil como “madeira de pobre” e com raras exceções não é matéria de estudo nos cursos de engenharia florestal.

Podemos conjecturar que o bambu estava para os ancestrais orientais como as palmáceas estiveram para os ancestrais sul-americanos. Por isso que o domínio tecnológico de aproveitamento de bambu é de países asiáticos como China, Indonésia, Vietnam mas, também com aplicações na índia e alguns países africanos.

Investir no reflorestamento de 350 milhões de hectares de áreas degradadas com bambu até 2030 seria a alternativa para salvar o mundo segundo uma proposta holandesa da Erasmus University Roterdam e de outras organizações, pois segundo afirmam um hectare de bambu fixa 1.000 toneladas de CO² e produz economicamente 20 m³ de produto madeireiro de excelente qualidade.

O bambu se presta exatamente para a recuperação de áreas degradadas e segundo pesquisadores cubanos armazena por hectare 30.375 litros de água em seu sistema radicular e colmos, o equivalente ao consumo de 150 pessoas que usam 200 l/dia. Essa água na estiagem é liberada paulatinamente ao solo.

Para o controle de erosão o bambu é imbatível. Pesquisas realizadas por Riquelme ett al, 2011 demonstram que em parcelas com bambu a erosão foi de apenas 0,20 t/ha/ano de solo, enquanto em parcelas com SAF e cultivo intercalar foi de 1,72 t/ha/ano e em parcelas com monocultivo a erosão atingiu a explosiva marca de 23,39 t/ha/ano.

Como produtos econômicos o bambu vem tendo aproveitamento dos mais diversificados com 1001 aplicações, pelas suas propriedades de leveza, resistência e flexibilidade. Na China é muito utilizado na construção civil no preparo de andaimes para acabamentos de prédios moderníssimos. Na construção de residências luxuosas em Bali na Indonésia. Em acabamentos no teto do aeroporto de Madri na Espanha. Em escritórios luxuosos e ponte em Israel. Como biocompósito vem sendo utilizado na fabricação de capacetes de motociclista, skates, instrumentos musicais e escovas de dente. Com o carvão de bambu é feito até um dentifrício branqueador dos dentes. Na sua forma natural é usado na movelaria, artesanato e na agricultura como tutor de várias culturas comerciais e irrigação.

O Brasil é mesmo um país de contrastes, pois se contrapondo ao desconhecimento do bambu, é nele que se encontra a maior diversificação da espécie e um dos melhores climas para o seu cultivo. Também tem a maior área de dispersão natural da espécie Guadua angustifólia nos estados do Acre (180.00 km²) e Amazonas e o maior plantio comercial de bambu na região nordeste, de 50.000 hectares pertencentes a uma indústria de cimento que há mais de 30 anos, produz papel, polpa e sacos de cimento, além de cavaco para biomassa na geração de energia, aquecimento de caldeiras, fornos de siderúrgicas, cerâmicas e gessarias.

Para a Amazônia que com os seus 76 milhões de hectares desmatados, aproximadamente 10 milhões são áreas degradas o grande potencial de exploração do bambu seria como sucedâneo da madeira com o produto denominado de bambu laminado colado (BLC), tecnologia já disponível na região semelhante ao processamento da madeira na forma de compensado e conglomerado. Além da produção de brotos de bambu, com potencial para exportação de milhões de dólares para o sudeste asiático, cujo consumo é tradição, tecnologia também disponível na região, sendo a mesma da utilizada para o processamento do palmito de açaí e pupunha.

A cultura do bambu se presta tanto para a escala industrial como para os pequenos agricultores familiares. Um grande potencial seria sua difusão nos assentamentos da reforma agrária como componentes dos bem sucedidos sistemas agroflorestais (SAF).

Só acredito na preservação da floresta Amazônia quando chegar ao mercado um produto concorrente da madeira e este será o bambu laminado colado (BLC). Espero que nesta semana do meio ambiente o bambu possa entrar na discussão das alternativas viáveis para reverter o aquecimento global e se transformar em nosso país numa cultura de retorno econômico, social e de alta relevância ambiental.

Raimundo Nonato Brabo Alves

Pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental

Literatura consultada:

https://aprendeenlinea.udea.edu.co/revistas/index.php/vitae/article/view/3021

https://www.embrapa.br/acre/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1078373/bambus-no-brasil-da-biologia-a-tecnologia

http://www.ipef.br/publicacoes/scientia/nr36/cap02.pdf

http://bambusc.org.br/?page_id=989

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 11/06/2018

Top

Solicite uma cotação

Confira nosso diferencial de preços de itens importados e certificados.