China fecha o cerco ao comércio de marfim

O ano de 2018 começa com uma boa notícia para a conservação. É que no último domingo do ano de 2017 (31), a China proibiu totalmente o comércio de marfim. O anúncio foi feito pelo Ministério das Florestas, que afirma que a proibição inclui o comércio eletrônico e os suvenires obtidos no exterior.

A China é considerada o maior consumidor mundial de marfim, legal e ilegal, e desempenha um papel importante no abate anual de cerca de 30.000 elefantes africanos por caçadores. O marfim é utilizado na produção de bugigangas, pauzinhos e outros itens ornamentais, além de ser um ingrediente na fabricação de remédios usados da “medicina” chinesa.

A medida ocorre dois anos depois de uma promessa conjunta com os Estados Unidos. Em 2015, o presidente chinês, Xi Jiping, seguido do então presidente Barack Obama decidiram proibir o comércio interno de marfim. Com a decisão, todas as fábricas de escultura e varejistas de marfim com sede no governo da China irão fechar. A proibição de marfim dos EUA entrou em vigor em junho de 2016. A entrada em vigor da China em 31 de dezembro de 2017.

Uma proibição internacional do comércio de marfim entrou em vigor em 1990, mas a China continuou a permitir – e até mesmo promover – vendas de marfim dentro de suas fronteiras.

A Administração Florestal Estadual da China, a agência encarregada de impor a nova proibição, está iniciando uma campanha para garantir que os cidadãos do país tenham conhecimento da lei.

Ambientalistas entenderam a medida como uma demonstração do compromisso chinês de acabar com o seu protagonismo na epidemia de caça furtiva que atinge os elefantes da África.

Extraído de Oeco

Deixe uma resposta

Top

Solicite uma cotação

Confira nosso diferencial de preços de itens importados e certificados.