Pesquisadores desenvolvem módulo móvel para tratamento de efluentes industriais

É um sistema de baixo custo que busca reduzir o nível de poluição em indústrias que utilizam matéria orgânica como principal insumo. É benéfico tanto para o quadro jurídico local como para os compromissos assinados com organizações internacionais, das quais a Argentina é um Estado membro.

Alguns desses objetivos, que contemplam múltiplas questões ambientais visam garantir padrões sustentáveis de consumo e produção e uma água livre de impurezas. Dentro destas duas premissas, uma parte do projeto da Universidade de Flores (UFLO), visa reduzir o nível de poluição industrial através de um módulo móvel de baixo custo. A peculiaridade deste dispositivo é que ele se alimenta de ozônio, o que reduziria consideravelmente os custos da empresa ou indústria.

Alguns desses objetivos – que incluem múltiplos temas ambientais – visam garantir padrões sustentáveis de consumo e produção e lutar pela água livre de impurezas. Dentro destas duas premissas é um projeto da Universidade das Flores, que visa reduzir o nível de poluição industrial através de um módulo móvel de baixo custo. A peculiaridade deste dispositivo é que ele se alimenta de ozônio, o que reduziria consideravelmente os custos da empresa ou indústria que o utiliza.

Ozonização

“A ozonização é um processo de purificação de água ou efluentes provenientes das indústrias que possuem matéria orgânica ou componentes biológicos como principal insumo”, explica Graciela Pozzer, formada em Ciências Ambientais e diretora do Departamento de Atividades Interdisciplinares da UFLO, área responsável pela iniciativa, composta por engenheiros, bioquímicos e especialistas em meio ambiente.

“Quando essa matéria orgânica é usada, é dissolvida na água e se transforma em resíduos biodegradáveis. Estes têm uma grande capacidade de consumir oxigênio para biodegradar. Isso pode ocasionar à putrefação, que traz odores e reduz a disponibilidade de água para esse e outros usos “.

Resíduos de sangue, soro, leite, farinha, fruta ou sabão são transformados em efluentes juntamente com a água resultante de processos de lavagem de ferramentas e vão para tanques de estabilização. Este líquido pode infiltrar pelas camadas do solo e atingir as águas subterrâneas ou contaminar os corpos de águas superficiais. É, em suma, volumes de água que não podem ser usados porque estão contaminados.

“Para a empresa custa muito dinheiro esta quantidade de água captada e tornando-a inutilizável”, diz Pozzer. “Se você quiser evitar isso, terá enormes custos instalando uma estação de tratamento, que é o que as autoridades exigem. Deve estar localizado no final do processo industrial, antes que o efluente atinja o meio ambiente, e não só é caro, como também deve ser operado por pessoal qualificado. Devem ser colhidas amostras que correspondam aos parâmetros físico-químicos e biológicos que regem a legislação vigente. Depois de passar por essa estação, a água deve estar limpa e até potável. ”

Uma alternativa de baixo custo

O dispositivo projetado pela equipe da UFLO usa oxigênio atmosférico (O2) como principal insumo. Este gás é transformado em ozônio (O3), com uma considerável capacidade de oxidação: sendo formado por três átomos de oxigênio, um deles se torna muito instável, com alto poder oxidativo. Desta forma, é muito fácil retirar oxigênio do ar através da corrente elétrica e transformá-lo em ozônio.

“Uma vez que a molécula de ozônio esteja dentro do nosso módulo”, diz Graciela Pozzer, “o efluente passa por ali e esse átomo de oxigênio o oxida, tornando assim com menos ou nenhum poluente. A ideia do módulo, sendo móvel, é que ele pode ser colocado em qualquer parte do processo industrial. É muito versátil, pode ser adaptado em localização, tamanho e capacidade volumétrica de acordo com as exigências de quem o solicita. ”

Existem processos de ozonização que usam água oxigenada, mas é um insumo caro, porque também requer radiação UV e ozônio como insumo a ser adquirido. “Nosso empreendimento é muito mais acessível porque leva oxigênio do ar, que é gratuito e à temperatura ambiente”, diz a especialista.

“Passamos através de um coletor de gases, transforma-se em ozônio dentro do ozonizador e o efluente passa por ali. É um sistema conhecido como Venturi. O que é inovador em nosso produto é reordenar os recursos existentes, aplicá-los a essa necessidade e sem nenhum custo de insumos materiais, usando o ar que respiramos. E é móvel: qualquer um pode colocá-lo no estágio da cadeia produtiva que considerar necessário. Uma vez que o usuário esteja familiarizado, não precisa ter uma equipe remunerada para operar a estação de tratamento. Pode ser controlada uma vez por dia. “

Primeiros testes e regras para levar em conta

Os especialistas realizaram seus primeiros testes na fábrica de sorvetes Abuela Goye e no frigorifico Golden Quail, na província de Buenos Aires, que recebeu reclamações sobre a qualidade de seus efluentes. Os resultados foram bem-sucedidos: a implementação do dispositivo conseguiu reduzir a DBO (demanda biológica de oxigênio), que é o principal parâmetro de controle. Os microrganismos que descontaminam a matéria orgânica demanda oxigênio biologicamente, quando são inativados, a DBO diminui.

“A DBO sempre dependerá do volume e da qualidade do efluente gerado pela empresa. As amostras são coletadas, analisadas em laboratórios e a DBO é medida antes de passar pelo ozonizador e após sair do tratamento. O desejável é que não exceda 50 miligramas por litro. Se medir mais do que isso, eles serão sancionados de acordo com o quanto excedem: podem aplicar uma multa, fechamento e uma ordem para instalar uma estação de tratamento “, explica Pozzer.

Existe um marco legal a nível nacional que responde aos compromissos que nosso país assinou com organizações internacionais, embora cada província tenha sua própria legislação: “As indústrias de Tucumán, por exemplo, produzem efluentes com alta DBO devido aos resíduos de cana-de-açúcar, ou os de Río Negro, com sucos de frutas, mas em nenhum deles o parâmetro exigido, DBO, é maior do que o exigido pela legislação nacional “, ressalta a especialista.

Segundo Pozzer, “as indústrias, em geral, tendem a não respeitar os parâmetros dos efluentes, devido aos custos gerados pela construção, comissionamento e operação da estação de tratamento. Então, tende a contaminar enquanto a fiscalização não vê ou não consegue controlar e assim despejar o efluente sem tratamento em um corpo de água, como no Riachuelo. Na província de Buenos Aires, as leis 11.459, que exigem avaliação de impacto ambiental e outros requisitos, e 11.723, exigem parâmetros que são fortalecidos com diferentes resoluções. Processos avançados de ozonização buscam a destruição de contaminantes e não sua mera transformação em outros, como acontece com o lodo resultante de certos tratamentos. Os benefícios ambientais são valorizados pelo método do custo evitado: são eficientes, economicamente viáveis e ecologicamente sustentáveis “.

Fonte: Argentina Investiga, Autor: Hernán Cortés, adaptado por Portal Tratamento de Água
Traduzido por Gheorge Patrick Iwaki

Top

Solicite uma cotação

Confira nosso diferencial de preços de itens importados e certificados.